Blog de um tricolor


Amanhã

Amanhã começa o dificil recomeço do FLUMINENSE(DESCULPEM O TROCADILHO)... MAS EU ACREDITO QUE O NORMAL só aconteça após 03 rodadas... nesse momento é torcer para que a equipe se recupere do baque o mais rápido possível...afinal nos 03 últimos anos já temos uma vice copa do   Brasil, uma copa do Brasil e uma vice copa Libertadores...é pouco?

 Escrito por paixaoflu às 12h57 [] [envie esta mensagem] []






AMÉRICA

Segundo ouvi e estou lendo hoje nos jornais, Souza poderá ser punido pelo que fez ao arbitro de Juventude 1 x 0 América... mas se a imprensa de Natal tiver razão foi díficil  ver o América ser prejudicado o tempo todo... pena...

 Escrito por paixaoflu às 12h53 [] [envie esta mensagem] []






FOI FEIO

Não foi legal os jogadores do Flamengo gozarem os jogadores tricolores... a torcida gozar até que dá mas os jogadores é até anti-ético... esses mesmos jogadores poderão amanhã estarem beijando o escudo do fluminense e aí? Jogador hoje não é mais uma referência de seu clube como foi ZICO, ROBERTO DINAMITE ,RIVELINO, entre tantos outros que ao citarmos os nomes, os clubes são imediatamente lembrados...

 Escrito por paixaoflu às 12h49 [] [envie esta mensagem] []






A MINHA OPINIÃO

Galera tricolor... não há motivos para chorar, para reclamar do time.É hora de tentarmos ver o mérito do adversário.... mas que festa linda fez o torcedor tricolor... mesmo perdendo o jogo, o tempo normal está gravado e vou guardar com todo carinho, afinal não fomos campeões mas fomos VICE CAMPEÕES, mas vamos ver este vice com muito bons olhos....

mas uma coisa doeu, perder nos penaltis...e o juiz? na minha opijnião influiu no resultado mas um time que quer ser campeão tem que ter sobras para que os erros do juiz não o façam perder um título...

SAUDAÇÕES TRICOLORES



 Escrito por paixaoflu às 01h20 [] [envie esta mensagem] []






A HISTÓRIA DO JOGO

Fluminense falha nos pênaltis, e a LDU é campeã da Taça Libertadores!

Conca, Thiago Neves e Washington perdem as cobranças e goleiro Cevallos vira o herói da conquista equatoriana

Thiago Lavinas GLOBOESPORTE.COM, no Rio de Janeiro

 

O sonho terminou. Mas o torcedor tricolor não tem motivos para chorar. O time lutou, foi valente. Só caiu na disputa de pênaltis. Após vencer por 3 a 1 no tempo normal, com gols de Thiago Neves, o Fluminense falhou nas penalidades e perdeu por 3 a 1. Conca, Thiago Neves e Washington, três dos principais jogadores do time, tiveram as cobranças defendidas pelo goleiro Cevallos. E a LDU conquistava o título da Taça Libertadores nesta quarta-feira, no Maracanã. No primeiro jogo, disputado em Quito, os equatorianos venceram por 4 a 2.

 

 

Agência/EFE

Thiago Silva não acredita na derrota nos pênaltis e fica inconsolável em campo

Pelo segundo ano consecutivo, um clube brasileiro perdeu a decisão da Libertadores. Em 2007, o Grêmio foi derrotado pelo Boca Juniors, da Argentina, na final.

A LDU é o quarto clube classificado para o Mundial de Clubes da Fifa, que acontece em dezembro, no Japão. Já haviam assegurado a vaga o Manchester United-ING (campeão europeu), o Pachuca-MEX (campeão da CONCACAF) e o Waitakere United (campeão da Oceania). Outras três vagas ainda estão em jogo e serão conhecidas apenas em novembro. São para o campeão da África, o da Ásia e o do Campeonato Japonês. Como campeão da Conmebol, o time equatoriano já entra na disputa na semifinal.

 

Após o susto, o alívio com Thiago Neves no primeiro tempo

 

Thiago Neves empata para o Fluminense

No vestiário, os jogadores receberam as camisas das mãos de seus familiares. Quando o time entrou em campo, uma linda festa começou na arquibancada. Fogos de artifício, sinalizadores verdes com os torcedores, bandeiras e camisas eram balançadas. Antes de a partida começar, os jogadores se reuniram em campo para uma corrente.

 

Mas aos cinco minutos veio o balde de água fria. Guerrón fez uma festa pela direita e cruzou rasteiro. Bolaños apareceu livre e chutou forte, no canto direito de Fernando Henrique, que não teve muito a fazer. A LDU abria o placar: 1 a 0.

 

O Maracanã ficou em silêncio. A torcida, apreensiva. Quando Washington dominou e ficou livre na área, veio a chance de empate. Mas o chute foi para fora. Será que não seria o dia tricolor? A resposta veio rápida. Thiago Neves arriscou de longe. E o goleiro Cevallos aceitou. Bola rasteira no canto esquerdo. Era o empate do Fluminense. A torcida recuperava a esperança. E assim como nos confrontos contra o São Paulo e o Boca Juniors, o time conseguia reagir minutos depois sofrer um gol.

 

Apesar do empate, a torcida tricolor seguiu quieta. Só se manifestava para protestar contra o árbitro Hector Baldassi, que estava benevolente com as faltas duras da equipe equatoriana, principalmente em Thiago Neves, e economizava nos cartões amarelos.

 

O Fluminense não estava bem. Tanto que aos 25 minutos, Dodô começou a se aquecer. A LDU fazia cera, o jogo ficava muito tempo parado. E Hector Baldassi também não tomava qualquer atitude irritando os tricolores. Mas o Fluminense tinha a objetividade dos campeões. Chegava e marcava. Aos 28 minutos, Junior César cobrou rápido um lateral para Cícero, que cruzou para Thiago Neves. O meia completou de primeira para o fundo da rede. Era a virada tricolor! O gol que precisava para a torcida voltar a gritar.

 

Nem o susto de Fernando Henrique, que errou ao sair uma bola e quase deu um gol feito ao adversário, calou os torcedores. Logo depois, Washington recebeu e foi derrubado por Ambrossi na área. Pênalti claro, mas o árbitro Hector Baldassi não deu nada para a revolta geral dos tricolores. Renato Gaúcho discutia com o quarto árbitro. Depois, com o bandeira. Não parava de reclamar do árbitro. E o primeiro tempo terminava.  

 

De falta, o gol salvador!

 

Para o segundo tempo, Renato Gaúcho colocou o atacante Dodô no lugar de Ygor. Com isso, Cícero passou a jogar mais recuado. E foi do artilheiro a primeira chance. Após receber na área, Dodô deixou o marcador no chão e chutou. A bola foi por cima do travessão.

 

E Dodô estava mordido realmente com a reserva. Aos sete minutos, o atacante dominou na área e chutou. A bola desviou em Calle e bateu na trave antes de sair para escanteio.

 

Aos 11 minutos, Thiago Neves sofreu falta na entrada da área. Ele mesmo cobrou. Com perfeição, no canto esquerdo de Cevallos, que pulou atrasado. Era o terceiro gol do Fluminense. O Maracanã tremeu tamanha a festa da torcida. Vale lembrar que na véspera da partida, no último treino nas Laranjeiras, o meia teve um aproveitamento espetacular nas cobranças de falta. Das sete que tentou, fez cinco gols e acertou uma vez o travessão.

 

O jogo ficou nervoso. Com o resultado, a partida iria para a prorrogação. A LDU resolveu sair mais. Urritia arriscou de fora da área e Fernando Henrique espalmou para escanteio. Logo depois, Bieler chutou da entrada da área e a bola bateu na trave direita do goleiro tricolor.

 

O Fluminense diminuiu um pouco o ritmo. E deixou de explorar a insegurança do goleiro equatoriano Cevallos. Ele quase entregou em um chute de Conca no meio do gol. A defesa, toda atrapalhada, aconteceu com uma das mãos. Aos 36 minutos, falta perigosa a favor do Tricolor. Conca cruzou para a área e Washington cabeceou por cima do travessão.

 

Os torcedores voltaram a apoiar o time com os gritos de "Nense". Mas o Fluminense preferiu não se arriscar. E a partida foi para a prorrogação. Mais 30 minutos de emoção pela frente.

 

Prorrogação com poucas chances

 

 

Renato Gaúcho reclama da arbitragem

O tempo extra foi nervoso. A LDU tentava ganhar tempo nas bolas paradas, mas também atacava. Principalmente com Guerrón. O Fluminense tinha as melhores chances nos chutes de longe. Primeiro com Thiago Neves, depois com Thiago Silva. Ambos para fora.

 

Junior César também tentava aparecer pela esquerda, mas os cruzamentos paravam nas cabeças dos equatorianos. Em uma sobra, Dodô chutou com força por cima do travessão. O tempo parecia passar mais rápido. E terminou o primeiro tempo.

 

Maurício entrou no lugar de Gabriel, bastante cansado. Mas o segundo tempo começou em ritmo lento. Aos 11 minutos, um lance polêmico. Cruzamento longo para a área e Bieler fez o gol de cabeça. De forma errada, o bandeira Ricardo Casas marcou impedimento e o árbitro Hector Baldassi anulou prejudicando o time equatoriano.

 

O jogo voltou a ficar emocionante. Thiago Neves recebeu na área e chutou cruzado. Cevallos fez difícil defesa e evitou o gol. Aos 14 minutos, contra-ataque rápido da LDU e Luiz Alberto é obrigado a derrubar Guerrón na entrada da área. O zagueiro, que já tinha cartão amarelo, foi expulso. Era o último lance da partida. Mas Ambrossi cobrou na barreira. E o título seria decidido nos pênaltis.

 

Pênaltis

 

Cobranças
Fluminense LDU
 Conca PERDEU Urrutia GOL
 Thiago Neves PERDEU Campos PERDEU
 Cícero GOL Salas GOL
 Washington PERDEU Guerrón  GOL
 Dodô ----- Bieler  -----

 

Urrutia abriu a disputa. Um chute forte no meio do gol. Fernando Henrique caiu para o lado direito. LDU 1 a 0. Conca seria o primeiro cobrador tricolor. E o argentino perdeu. Chute forte, mas no meio. Cevallos defendeu.

 

Campos bateu o segundo pênalti para a LDU. E Fernando Henrique defendeu. Festa no Maracanã. A torcida gritou o nome do goleiro tricolor. Thiago Neves tinha a missão de deixar tudo igual. Mas decepcionou. Chute rasteiro no lado direito de Cevallos, que defendeu com os pés. E Salas não perdoou. Fez o segundo gol da LDU. 

 

Cícero foi o terceiro cobrador tricolor. E finalmente fez o primeiro do Fluminense. Mas a vantagem ainda era equatoriana. Guerrón abriu a quarta série. E deixou o Fluminense em situação complicada: 3 a 1.

 

Washington foi cobrar sob pressão. Se perdesse, a série acabava. O chute foi  no canto direito. E Cevallos defendeu. A LDU era campeã da Libertadores! Silencio e choro no Maracanã. Os torcedores, sem acreditar, não saiam da arquibancada. Mas a festa era equatoriana.

 

Ficha técnica: 

FLUMINENSE 3 (1) x 1 (3) LDU

Fernando Henrique, Gabriel (Maurício), Thiago Silva, Luiz Alberto e Junior Cesar; Ygor (Dodô), Arouca (Roger), Cícero, Thiago Neves e Conca; Washington.

Cevallos, Campos, Calle e Araujo; Ambrossi, Vera, Urrutia, Manso (Araújo) e Bolaños (Salas); Guerrón e Bieler
Técnico: Renato Gaúcho. Técnico: Edgardo Bauza.
Gols: Bolaños aos cinco minutos, Thiago Neves aos 11 e aos 28 minutos do primeiro tempo; Thiago Neves aos 12 minutos do segundo tempo

Cartões amarelos:  Luiz Alberto, Thiago Silva e Cícero (Fluminense); Bieler, Vera, Cevallos e Guerrón (LDU)

Cartão vermelho: Luiz Alberto (Fluminense)

Estádio: Maracanã, no Rio de Janeiro.

Data: 02/07/2008.

Público: 78.918 pagantes Renda: R$ 3.910.044,00 Árbitro: Hector Baldassi (ARG).

Auxiliares: Ricardo Casas (ARG) e Hernán Maidana (ARG).



 Escrito por paixaoflu às 01h14 [] [envie esta mensagem] []






NÃO DEU...

OSONHO ACABOU... SOBREVIVI... AGORA É TORCER PELO FLU NO BRASILEIRÃO...MAS O QUE ACONTECEU COM WASGHINTON? FICOU DEVENDO... PENA TIAGO NEVES PERDER O PENALTI QUANDO FOI O HERÓ DA PARTIDA NO HORÁRIO NORMAL... MAS O QUE DIZER NESSA HORA? DODÔ O QUE FEZ DODÔ? COMO PODE ELE EXIGIR SER TITULAR JOGANDO O QUE JOGOU... PORQUE NÃO COMEMOROU O TERCEIRO GOL? 



 Escrito por paixaoflu às 01h10 [] [envie esta mensagem] []






VAMOS SER CAMPEÕES

ENTREVISTA DE RENATO A FOLHA... DEUS LHE OUÇA RENATO 

"Nós vamos ser campeões", afirma Renato Gaúcho language=javascript type=text/javascript> language=javascript1.1 src="http://bn.uol.com.br/js.ng/site=folha&chan=online.esporte&size=180x150&page=7&expble=0&conntype=1&tile=314718267321315?" type=text/javascript>

SÉRGIO RANGEL
da Folha de S.Paulo, no Rio

Próximo de se tornar o primeiro brasileiro a conquistar a Taça Libertadores da América como jogador e treinador, Renato Gaúcho deixou a modéstia de lado para a decisão contra a LDU, do Equador, nesta quarta-feira, às 21h50, no estádio do Maracanã.

Em entrevista à Folha, ele afirmou que os cariocas vão "ser campeões", diz saber tudo sobre futebol e declarou que não gosta de teoria no campo.

Ao contrário dos técnicos disciplinadores, Renato acredita que "jogador não é escravo" e permite que seus pupilos caiam na noite desde que rendam depois no jogo.

O ex-jogador, que venceu a Taça Libertadores em 1983 com o Grêmio, contou também que deseja comandar a seleção brasileira e afirma ter tido relação sexual com mais de mil mulheres.

FOLHA - Após perder a primeira partida, você acredita no título?
RENATO - Nós vamos ser campeões. O time deles é bom, mas sou mais o meu. Passamos por vários gigantes, São Paulo, Boca Juniors. Precisávamos fazer dois gols no São Paulo e fizemos três. Por que não podemos fazer três gols na LDU? Não estou falando da boca para fora.

FOLHA - Como você define o seu estilo de trabalho?
RENATO - Gosto da prática. Não gosto de teoria. Quando quero que o jogador faça algo, eu mostro no campo. Por isso, acho que tenho vantagem diante dos outros. Este lado jogador me ajuda muito. Conheço tudo. O jogador não fica em dúvida. Quando ele me olha, sei o que está pensando pela experiência que tenho. Na sala de aula, é diferente. O professor só mostra. Prefiro mostrar na prática. No futebol, a maior parte é dentro do campo. Sei que ali é que eles vão ganhar. Se ficar só na teoria, não se chega a lugar algum.

FOLHA - Você foi um jogador polêmico. Gostava da noite, namorou belas mulheres, tomava cerveja. Um jogador com o seu perfil tem espaço neste time do Fluminense?
RENATO - Claro. O Renato jogaria porque era fora de série (risos). Prefiro um cara que saia na noite, tome o seu chope, vá a uma boate, mas chegue ao dia do jogo e dê trabalho para o adversário. Não gosto destes que vão dormir às 20h, tomam suco de laranja, mas não vejo em campo no domingo. Falo aos jogadores para fazerem o que quiserem lá fora. Mas digo que, dentro do clube, é comigo. Se eles não renderem no campo, eles ficam de fora. Agora, se fizerem a parada deles lá fora, mas se garantindo no campo, não tem problema. Jogador não é escravo.

FOLHA - Você já disse que pretende dirigir a seleção brasileira. Sente-se pronto para o cargo?
RENATO - O treinador que fala que não quer chegar à seleção é um mentiroso. Não estou falando que é agora. Um dia vai chegar [a oportunidade]. Vários já estiveram lá, mas deixa o Dunga trabalhar.

FOLHA - Você já usou drogas?
RENATO - Isto é de cada um. Nunca me envolvi com drogas. Cada um é dono do seu nariz. Não tenho nada contra, mas cada um vive sua vida. Não vou mudar o mundo, mas não gosto de drogas. Bebo o meu chope, o meu vinho... Isto faz mais minha cabeça do que drogas.

FOLHA - É verdade que você fez mais sexo do que gols?
RENATO - (risos) Muito mais mulher (risos). Mas deixa isto para lá. Eu transei com mil mulheres antes dos 20 anos. Segue. Faça outra pergunta.

FOLHA - Qual a importância da Libertadores para a sua carreira de treinador?
RENATO - Vai carimbar o meu trabalho. Estou muito feliz de ter chegado aqui, algo inédito para todos. Podemos ganhar o maior título da história do clube. Eu já estou na história do Fluminense. Fiz o gol de barriga [que deu o título do Estadual de 95] e agora ajudei a levar o clube para a final da Libertadores. Quero ficar ainda mais importante. Além disto, serei o primeiro brasileiro a conquistar a Libertadores da América como treinador e jogador.

saudações tricolores

 



 Escrito por paixaoflu às 12h36 [] [envie esta mensagem] []






F L U U U U U U U U U UU U U U U U...

euacreditoflu_8001.jpg

 Escrito por paixaoflu às 18h22 [] [envie esta mensagem] []






EU ACREDITO NO FLU

A delegação do Fluminense desembarcou no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro num clima de muito otimismo. Entre os jogadores, a convicção de que no Maracanã a história será diferente. Sobretudo porque contarão com a providencial ajuda da massa pó-de-arroz, que tomará o estádio de assombro.

Faça a sua parte, tricolor! O Globoesporte.com já está fazendo a dele: sob o lema “Eu Acredito no Flu”, está lançando uma campanha para angariar mensagens de apoio, carinho e otimismo aos nossos craques. Contribua também com charges e telas sobre o time. As melhores serão publicadas na home do Flu do Globoesporte.com

Para participar, basta escrever a euacreditonoflu@globo.com Se também quiser me presentear com sua obra-prima, envie cópia para joaogarcez@yahoo.com.br

Não fique fora dessa! O Flu precisa de você!

***



 Escrito por paixaoflu às 18h21 [] [envie esta mensagem] []






FORÇA GALERA TRICOLOR

Qui, 26/06/08 por joao marcelo garcez | categoria Libertadores

hulk.jpg

“O Fluminense não vai entrar afoito no Maracanã. Quem tem que estar desesperado é a LDU, que vai enfrentar 100 mil pessoas contra ela”. As palavras intimidatórias do técnico Renato Gaúcho vão além. “Nosso adversário teve a faca e o queijo na mão para conquistar o título em seu estádio, mas não soube aproveitar. Agora eu sou mais o meu grupo”, confia o comandante, que banca a conquista da Libertadores. “Chegamos até aqui para ganhar. Ninguém vai tirar este título da gente”. E fez o convite ao torcedor. “Não deixe de ir ao Maracanã. Quem estiver lá terá uma felicidade muito grande. Eu garanto isso”.

Renato está certíssimo em chamar para si a responsabilidade da conquista, tirando-a dos ombros de seus jogadores, que não foram lá muito felizes nesta primeira partida da final. Depois de um primeiro tempo desastroso, a sorte sorriu para o Fluminense nos 45 minutos finais. O gol “achado” de Thiago Neves e a defesaça à queima-roupa de Fernando Henrique nos últimos minutos podem ter sido os lances capitais desta inédita conquista em caso mesmo de triunfo tricolor.

Em parte, a claudicante atuação da etapa inicial deveu-se ao meio-de-campo do Flu, que inexistiu. Júnior César foi outro que esteve irreconhecível. Pelo seu lado, aconteceram as principais jogadas de ataque da LDU, que também ameaçou com sucessivas jogadas de bola parada. Bola cruzada na área era um Deus nos acuda. O sistema defensivo tricolor, sempre compactado e ajustado, desta vez parecia uma peneira. Perdido, o Tricolor sentiu o golpe e rezou pelo fim do primeiro tempo.

O ímpeto ofensivo do time equatoriano foi menor na volta do vestiário. O Flu aproveitou-se disso e diminuiu, de cabeça, com Thiago Neves. Conca, que marcara o primeiro de falta, quase fez o terceiro em chute da intermediária. O goleiro José Cevallos bateu roupa, mas Washington não estava lá para pegar o rebote. O Coração Valente, por sinal, foi mal no jogo. Renato demorou até demais para substituí-lo por Dodô, que não teve uma única oportunidade de gol.

No fim, com a colaboração de Sobrenatural de Almeida, Fernando Henrique fez o que parecia impossível, ao espalmar uma cabeçada violentíssima de Urrutia. A (falta de) ajuda do personagem rodriguiano se deu no rebote do travessão. Estivesse inspirada, a rabugenta e traiçoeira figura teria feito com que a bola batesse no corpo de nosso goleiro e morresse no fundo das redes. Felizmente, o ar rarefeito da altitude de Quito impediu que ele lançasse mão de seus “serviços”.

***

Num primeiro momento, este 4 a 2 pode parecer um placar complicado de ser revertido, sobretudo numa finalíssima continental. Mas não vejo assim. Para mim, o Flu tira esta vantagem no Maracanã ainda no primeiro tempo, tendo todo o segundo para consolidar o título. Se ainda assim não fizer o terceiro, terá mais 30 minutos de prorrogação para tentar o feito.

***

Estou com Renato: no Maracanã, o Flu vai jogar muito e dificilmente voltará a falhar tanto quanto em Quito. Entrando com uma estratégia de jogo bem-montada, o Tricolor tem tudo para colocar a faixa no peito. Um golzinho de saída, como fez a LDU no Estádio Casa Blanca, ajudaria muito.

Eu acredito! Muito!!!

***

O Fluminense já esteve em situações bem piores nessa Libertadores. Nas quartas-de-final, depois que Adriano empatou o jogo, o Flu tinha pouco menos de 20 minutos para fazer dois gols. Caso contrário, pulava fora da competição. E venceu por 3 a 1.

Nas semifinais, Palermo abriu o placar no segundo tempo; muitos achavam que a casa cairia, já que o jogo “não estava para o Flu”. Pois o Tricolor em pouco menos de 35 minutos, não só empatou o jogo, como ainda deu mais dois de troco para os argentinos.

Desta vez, teremos 90 minutos para marcar dois gols (ou três, para evitar a prorrogação). E o adversário, apesar de respeitável, não tem a força de São Paulo e Boca Juniors.

Por isso tudo, repito, eu acredito!

***

Em tempo: em suas duas últimas conquistas, o 30º Campeonato Estadual e o título inédito da Copa do Brasil, o Flu entrou em desvantagem na segunda partida. Em ambas as ocasiões, o Tricolor se superou e deu a volta olímpica.

***

Como se vê, o que não faltam são motivos para lotarmos o Maracanã e crermos na suprema glória tricolor.

O Incrível Flu já andou derrubando monstros pela América.



 Escrito por paixaoflu às 18h19 [] [envie esta mensagem] []






CHORORÕ

LDU 4 X 2 FLU

 

NESTE MOMENTO ATROZ

DESTE TRISTE  QUATRO A DOIS

CHORA DILACERADO

MEU CORAÇÃO PÓ DE ARROZ

 

MAS A RESPOSTA VIRÁ

COM CERTEZA, DIA DOIS

E CHORARÁ, MAS FELIZ

MEU CORAÇÃO PÓ DE ARROZ 

 



 Escrito por paixaoflu às 00h26 [] [envie esta mensagem] []






DEUS LHE OUÇA THIAGO NEVES

Thiago Neves afirma que seu gol garantiu o título para o Flu

O atacante Thiago Neves, que após ter passado de forma quase despercebida o primeiro tempo do jogo do Fluminense contra a LDU, em Quito, declarou após o final da partida que o seu gol, o segundo do Tricolor na derrota por 4 a 2, garantiu o título para a equipe das Laranjeiras. Com o resultado, no segundo e decisivo jogo, no Estádio do Maracanã, o time comandado por Renato Gaúcho precisa vencer por uma diferença de dois gols para levar o jogo para a prorrogação, ou por três, para levantar a taça ainda no tempo complementar.

"A gente deu mole no primeiro tempo. Fomos muito desatentos e tomamos aqueles quatro gols. Mas com o gol que eu fiz, eu tenho certeza que eu garanti o título para o Fluminense", afirmou Thiago Neves, logo após o apito final em Quito.

Ao contrário do atacante, que procurou minimizar o resultado obtido na casa do adversário, o zagueiro Luiz Roberto reclamou muito da atuação do clube carioca. Para o defensor, o primeiro tempo de jogo foi o pior que o clube carioca disputou na Libertadores deste ano. "Foi resultado ruim, a gente sabe disso. No primeiro tempo, parecíamos estar no mundo da lua, foram circunstâncias horríveis. Uma situação para apagar. Nós nunca jogamos tão mal como nesse primeiro tempo", declarou.

Também criticando a atitude da equipe no primeiro tempo, o goleiro Fernando Henrique, crucial para que o Fluminense não saísse com um resultado ainda pior que os 4 a 1 da etapa inicial, afirmou que a equipe agora tem que se dedicar ao jogo do Maracanã. "O resultado foi ruim, mas nosso time mostrou atitude no segundo tempo. Temos que manter a tranqüilidade e a cabeça no lugar, e esperar o apoio da nossa torcida no Maracanã", finalizou.



 Escrito por paixaoflu às 00h58 [] [envie esta mensagem] []






DIA 02 HAJA CORAÇÃO

O coração tricolor pó de arroz vai bater mais forte...

GALERA TRICOLOR HAJA CORAÇÃO!!!!!!! HOJE ESTOU ASSIM... MAS QUARTA QUERO FICAR

saudações tricolores



 Escrito por paixaoflu às 00h14 [] [envie esta mensagem] []






A HISTÓRIA DO JOGO

Flu perde em Quito e sai em desvantagem de dois gols na decisão

LDU vence por 4 a 2. Tricolor precisa vencer por três ou mais gols de diferença se quiser ser campeão no tempo normal, dia 2 de julho, no Rio

Caio Barbosa Enviado especial do GLOBOESPORTE.COM, em Quito

 

Thiago Neves fez o segundo gol do Tricolor

O Fluminense terá que aprontar mais uma das suas se quiser ser campeão da Taça Libertadores. Isso porque o time perdeu por 4 a 2 para a LDU, na noite desta quarta-feira, em Quito, e agora tem que vencer por três gols de diferença no Maracanã, na próxima quarta-feira, dia 2 de julho, no Maracanã. Ao contrário das outras fases da competição, nas finais não há diferença entre os gols feitos dentro ou fora de casa. Com isso, em caso de vitória por dois gols do Tricolor, no Rio, a decisáo será nos pênaltis.

 

Primeiro tempo surpreendente

 

 A LDU mostrou a que veio no segundo minuto de partida. Guerrón, uma das grandes armas do time, cruzou da direita, e Bieler se antecipou a Thiago Silva para, de pé direito, abrir o placar. O Flu teve uma grande chance para empatar aos cinco, quando Washington entrou pela esquerda, na cara de Cevallos, e bateu de canhota, em cima do goleiro.

Aos dez, falta à meia distância do lado esquerdo da defesa da LDU. Conca ajeitou a bola com carinho e mandou no ângulo direito do arqueiro equatoriano. Golaço. Aos poucos, com a igualdade restabelecida no placar, o Tricolor igualou também as ações em campo, tocando a bola com categoria.

Um pouco abatidos, os donos da casa começaram a dar preferência aos chutes de longa distância, mas sem sucesso. Quando acertavam a direção do gol, Fernando Henrique mostrava segurança nas defesas. Aos 19, Bolaños recebeu dentro da área e bateu colocado, mas o goleiro tricolor caiu bem, à esquerda, e salvou o que seria o segundo gol equatoriano. 

 

 

Jogadores da LDU fazem a festa em Quito

Em seguida, aos 23, após falta cobrada por Thiago Neves da esquerda, Arouca pegou rebote na entrada da área e arriscou, mandando a bola próxima à trave direita de Cevallos.

Aos 28, a LDU, que a esta altura já havia se recomposto e tinha 60% de posse de bola, fez o segundo. Falta na entrada da área, a bola bateu na barreira, Bieler emendou para o gol para uma linda defesa de Fernando Henrique. Mas, no rebote, Guerrón mandou um balaço de direita, indefensável, à esquerda do goleiro tricolor.

E o time equatoriano cresceu junto com sua torcida. Aos 33, Bolaños cobrou escanteio da esquerda, Jairo Campos acertou uma linda cabeçada e surpreendeu FH, que não esperava que a bola fosse na direção do gol. 3 a 1. Empolgados, os torcedores equatorianos passaram a gritar “olé” em todas as trocas de passes do time.

Aos 39, Cícero entrou pela esquerda na área e chutou forte: a bola explodiu na trave direita de Cevallos. No último minuto do primeiro tempo, outro duro golpe na confiança tricolor: Manso cobrou escanteio da direita, Washington desviou mal, para trás, e Urrutia completou de peixinho para o fundo das redes. 4 a 1 no placar, apito de Carlos Chandia, e angústia no coração tricolor durante o intervalo.

 

Segunda etapa começa, e Flu diminui


O jogo era mesmo para corações fortes. A LDU voltou em cima para tentar ampliar o marcador, mas sem a mesma inspiração do primeiro tempo. Melhor para o Fluminense, que conseguiu diminuir a vantagem equatoriana aos seis minutos, com Thiago Nevez. Gabriel cruzou da direita, e o meia completou de cabeça, com estilo, à direita de Cevallos. 

 

O segundo gol saiu na hora certa para o Tricolor, pois tanto o time quanto a torcida da LDU sentiram o golpe. E o jogo ficou mais equillibrado, sem a mesma pressão dos donos da casa. Aos 18, Conca arriscou de longe, e Cevallos deu rebote, mas ninguém do Flu chegou para completar.

 

Thiago Neves comemora o seu gol

Um minuto depois, a LDU voltou a assustar os tricolores. Manso entrou pela direita, cortou para o meio da área a chutou de esquerda. Fernando Henrique se esticou todo e espalmou pela linha de fundo. Aos 26, Renato Gaúcho tirou Washington, que sentia dores no tornozelo direito, e colocou Dodô. Um pouco antes, Maurício já havia entrado na vaga de Arouca.

 

Aos 30, Bolaños cobrou falta da direita com um chute fortíssimo e quase enganou Fernando Henrique, que fez a defesa meio que no susto, mandando a bola pela lateral esquerda. O jogo se aproximava do fim e, sem tanto fôlego, os dois times diminuiram bem o ritmo. Para o Tricolor, a esta altura, a desvantagem de dois gols era até satisfatória dentro do que foram os primeiros 45 minutos.

 

Mais ainda houve tempo fortes emoções. Aos 43, Urrutia completou cruzamento da direita, Fernando Henrique espalmou, a bola tocou no travessão e voltou nas mãos do goleiro. Fim de papo, e agora o Flu tem 90 minutos para mostrar que nada está perdido.

 

 

Ficha técnica: 

LDU 4 x 2 FLUMINENSE
Cevallos, Campos, Calle e Araujo; Ambrossi, Vera, Urrutia, Manso (William Araujo) e Bolaños; Guerrón e Bieler (Delgado). Fernando Henrique, Gabriel, Thiago Silva, Luiz Alberto e Junior Cesar; Ygor, Arouca (Maurício), Cícero, Thiago Neves (Roger) e Conca; Washington (Dodô).
Técnico: Edgardo Bauza. Técnico: Renato Gaúcho.
Gols: Bieler, aos 2min; Conca, aos 10min; Guerrón, aos 28min; Jairo Campos, aos 33min, Urrutia, aos 45min do primeiro tempo; Thiago Neves, aos 6min do segundo tempo
Cartões amarelos:  Luiz Alberto, Ygor, Washington (FLU); Vera, Bieler, Araujo (LDU)
Estádio: Casablanca, em Quito. Data: 25/06/2008. Árbitro: Carlos Chandía (CHI). Auxiliares: Cristian Julio (CHI) e Lorenzo Acuña (CHI).



 Escrito por paixaoflu às 00h08 [] [envie esta mensagem] []






O DIA QUE DEU TUDO CERTO PARA LDU

Sabe aquele dia no qual o time chuta, chuta e a bola não entra? hoje foi diferente para LDU... tirando o primeiro gol no qual o jogador da LDU foi esperto e fez o gol, os outros cairam do céu ... O QUARTO GOL foi cruel com Washington, o coração valente perdeu gols e de um escanteio deu de cabeça na cabeça do jogador equatoriano...

Mas...

Nem tudo está perdido... temos plenas condições de vencer a LDU de 3 x 0 no Maracanã..   



 Escrito por paixaoflu às 00h03 [] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 





BRASIL, Nordeste, ACU, Homem





 
 




UOL - O melhor conteúdo
BOL - E-mail grátis
blog do samuel nario
 
 

Dê uma nota para meu blog